Picolinato de cromo: veja seus benefícios e sua influência na perda de peso

Foto: iStock


O cromo é um mineral encontrado em muitos alimentos, tais como brócolis (presente em grande quantidade), cenouras, batatas, grãos, carne, ovos, algumas frutas como maçãs e laranjas, ou mesmo em alimentos processados, gorduras e óleos vegetais, porém, sua absorção é muito baixa: cerca de 1,5% apenas.

Quando associado ao picolinato, esse mineral é mais facilmente absorvido pelo organismo, por isso é vendido como suplemento nesse formato (1, 2, 3).

O picolinato de cromo tornou-se bastante popular entre os suplementos indicados para a perda de peso. Entretanto, ainda existem diversas dúvidas sobre a segurança e eficácia no seu uso. Este artigo irá abordar os benefícios proporcionados por esse composto, ou mesmo a sua ineficácia, a partir da comprovação de diferentes artigos científicos e os possíveis riscos para a saúde ocasionados pelo consumo dele, além de indicar os principais alimentos que contêm o mineral.

Conheça os benefícios proporcionados por esse suplemento

Foto: iStock

Pode equilibrar os níveis de açúcar no sangue

Embora alguns pesquisadores questionem a importância do cromo, ele exerce diversas funções essenciais para o bom funcionamento do organismo (4).

Compõe, por exemplo, uma molécula conhecida como cromodulina, que auxilia o hormônio de insulina a desempenhar sua função (5, 6).

Liberada pelo pâncreas, a insulina é importante no processamento de carboidratos, gordura e proteína, além de executar o importante papel de controlar a glicose no sangue (7).

Em pessoas portadoras do diabetes, no entanto, o organismo não produz insulina ou não consegue empregar adequadamente a que produz, elevando, dessa maneira, os níveis de glicose, causando um quadro de hiperglicemia, que pode afetar diferentes órgãos, vasos sanguíneos e o sistema nervoso.

Diferentes estudos indicaram que tomar suplementos de cromo pode controlar os níveis de açúcar no sangue em portadores do diabetes. Um deles, por exemplo, realizado durante 4 meses, constatou que 200 mg diárias do mineral, diminuiu os níveis de açúcar e melhorou a resposta à insulina (8, 9).

Outro estudo indicou, ainda, que pessoas que apresentavam um nível de açúcar mais elevado e menor sensibilidade à insulina, respondiam melhor aos suplementos de cromo (10, 11).

Além deles, em um grande estudo realizado com mais de 62.000 adultos, a possibilidade de desenvolver o diabetes foi 27% menor nos que adotaram uma dieta com alimentos ricos no mineral (12).

Por outro lado, diferentes estudos também apontam resultados contrários. Em um deles, a suplementação de cromo por três ou mais meses, não indicou nenhuma melhora nos níveis de açúcar no sangue em adultos portadores do diabetes tipo 2 (13).

Em outro, realizado com 425 pessoas saudáveis, e os suplementos de cromo não alteraram os níveis de açúcar (14), enquanto um estudo realizado com adultos obesos não diabéticos, constatou que a ingestão diária 1g de picolinato de cromo não melhorou a resposta do organismo à insulina (15).

De um modo geral, os efeitos ocasionados por esse composto para reduzir os níveis de açúcar e melhorar a sensibilidades à insulina, em especial nos portadores do diabetes, parecem variar de acordo com cada organismo.

Ajuda a inibir a fome e a combater sintomas da depressão

Um dos maiores problemas relacionados à perda de peso, está exatamente na dificuldade de controlar a sensação de fome e a compulsão pelo consumo de alguns alimentos, principalmente os que proporcionam um prazer mais imediato, como doces e massas, altamente calóricos.

Diversos estudos comprovam a capacidade do picolinato de cromo para controlar essas sensações. Um deles, realizado durante 8 semanas, indica que 1 g do suplemento por dia reduziu o consumo de alimentos, a fome e a compulsão em mulheres saudáveis com excesso de peso (16).

Isso acontece pelas reações provocadas por ele no cérebro, efeitos que auxiliam ainda no combate aos sintomas de depressão, como demonstra um estudo realizado com mais de 100 pessoas portadoras da doença, que receberam diariamente uma dose de 600 mg do picolinato de cromo ou um placebo. Além de auxiliar nos sintomas da depressão, o apetite e a compulsão nas pessoas que receberam suplementos de picolinato de cromo, diminuíram em comparação com as que receberam o placebo (17).

Um pequeno estudo também observou possíveis benefícios em pessoas que sofrem com o transtorno da compulsão alimentar periódica. A ingestão de doses de 600 mg a 1 g diárias, demonstrou reduzir a frequência nos episódios, além de comprovar sua eficácia para combater os sintomas de depressão (18).

Afinal, o picolinato de cromo contribui para a perda de peso?

Devido ao papel que o mineral desempenha no metabolismo de nutrientes e pelos possíveis efeitos sobre o comportamento alimentar, vários estudos examinaram sua eficácia para a perda de peso, no entanto, o benefício do picolinato de cromo para esse propósito, é pouco significante.

Uma avaliação de 9 estudos, por exemplo, com a participação de quase 700 pessoas com sobrepeso ou obesas que receberam uma dose diária com 1 g do composto, demonstrou que ele ocasionou uma perda de peso muito pequena, cerca de 1,1 kg apenas, após um período que variou entre 12 e 16 semanas. Os pesquisadores concluíram, ao mesmo tempo, que essa quantidade era também questionável e que a eficácia do suplemento ainda não estava clara (19).

Outra análise detalhada das pesquisas disponíveis chegou à uma conclusão semelhante (20).

Diversos estudos realizados com adultos saudáveis também não apontaram nenhum efeito do suplemento sobre a composição corporal (gordura corporal e massa magra), mesmo quando combinados com exercícios (21).

Fontes alimentares e dose diária recomendada

Foto: iStock

Embora a composição de picolinato e cromo seja característica apenas dos suplementos, muitos alimentos contêm o mineral. No entanto, os processos de manufatura podem alterar a quantidade de cromo presente neles, ocasionando uma variação do percentual (22), que naturalmente já apresenta baixas quantidades: cerca de 1 g a 2 g por porção (23).

Em geral, carnes, produtos integrais e algumas frutas e vegetais são consideradas boas fontes do mineral (24).

Pesquisas indicaram que os brócolis, em especial, apresentam uma grande quantidade do mineral, aproximadamente 11 mg em 1/2 xícara, ao mesmo tempo que laranjas e maçãs também contêm uma boa quantidade, 6 mg por porção (25).

A quantidade diária recomendada para ingestão do nutriente (RDI), é de 35 mg para homens e 25 mg para mulheres. Após os 50 anos de idade, a dose diminui um pouco: 30 mg para homens e 20 mg para mulheres.

Porém, é importante observar que essas recomendações foram desenvolvidas a partir de estimativas do consumo médio de determinadas populações. Por esse motivo, elas não são conclusivas (26).

Contudo, apesar da incerteza do teor de cromo contido na maioria dos alimentos, ou mesmo sobre a recomendação preliminar de ingestão, a deficiência no mineral parece ser bastante rara (27).

Uma dieta balanceada, contendo uma variedade de alimentos que apresentem o mineral, portanto, pode suprir a necessidade do organismo.

É seguro fazer uso dos suplementos?

Como o cromo desempenha um papel importante no organismo, em especial para controlar os níveis de açúcar no sangue e melhorar a resposta à insulina, inibir a fome e a compulsão alimentar, muitos se perguntam se seria uma boa estratégia o consumo adicional de suplementos.

Porém, alguns pesquisadores questionam se há segurança no consumo do suplemento, uma vez que, ao ser processado, pode produzir moléculas de radical hidroxila, nocivas para o organismo, que têm a possibilidade de destruir as membranas biológicas e danificar o DNA (28, 29).

Um estudo de caso relatou ainda sérios problemas renais em uma mulher que consumiu entre 1,2 g a 2,4 g diariamente, com o propósito de perder peso (30). Outras alterações na saúde também foram associadas ao consumo do suplemento (31).

Apesar das possíveis preocupações de segurança, os suplementos de cromo interagem bem com alguns medicamentos, incluindo betabloqueadores e anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) (32).

Mesmo que os efeitos adversos associados ao consumo excessivo do mineral sejam raros (33), isso se deve também ao fato de que foram realizados poucos estudos com esse objetivo (34). Por isso, os benefícios oferecidos pelo picolinato de cromo são questionáveis, principalmente sua indicação para perda de peso, ao mesmo tempo que ele pode causar possíveis problemas de saúde.

A recomendação é de que ele não seja, portanto, incorporado como suplemento dietético (35). Uma dieta alimentar equilibrada com alimentos que contenham o mineral, pode suprir a necessidade dele.

Entretanto, caso a opção seja por adicioná-lo à rotina alimentar, um profissional de saúde deverá ser consultado anteriormente.