Inibidores de apetite: 10 opções naturais que vão te ajudar a perder peso de forma saudável

Escrito por Fabio Dias

Foto: iStock

Você já deve ter encontrado anúncios de diversos tipos de inibidores de apetite na internet. Essas propagandas apresentam algum produto milagroso que ajuda a perder peso e a reduzir medidas… nem sempre com a autorização da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) (1).

Normalmente, esses inibidores funcionam por meio da redução de apetite, bloqueando a absorção de certos nutrientes e aumentando a excreção, ou ajudando na queima de calorias por meio da aceleração do metabolismo.

Existem alguns alimentos naturais que fazem a mesma coisa, mas sem a maior parte dos efeitos indesejados. Aumentar a ingestão diária de fibras, por exemplo, é uma ótima maneira de controlar o apetite e perder peso.

10 inibidores de apetite naturais

Na lista abaixo, reunimos dez desses inibidores naturais de apetite. Lembramos que é sempre recomendado o acompanhamento de um médico ou de um nutricionista antes do uso de qualquer substância. Mesmo se tratando de produtos naturais, pesquisas relataram reações indesejadas, como desconforto estomacal, e apresentam risco potencial a alérgicos.

1. Feno-grego

Foto: iStock

Graças ao seu alto teor de fibras, o feno-grego, que contém fibras solúveis e insolúveis, provou seus benefícios à saúde, como regulação do açúcar no sangue, redução do colesterol e controle do apetite.

O feno-grego retarda o esvaziamento do estômago. Consequentemente, isso provoca a sensação de saciedade.

Além disso, um estudo realizado nos Estados Unidos sugere que o feno-grego poderia ajudar a diminuir sua entrada de gordura (2). Com 1,2 gramas de extrato de semente de feno-grego, a ingestão diária de gordura diminuiu 17%. Além disso, a pesquisa mostrou que o feno-grego é seguro e tem poucos efeitos secundários.

2. Glucomanano

Foto: iStock

Uma das mais conhecidas fibras solúveis, o glucomanano reduz o apetite e diminui o espaço para a ingestão de alimentos. Glucomanano absorve a água, se expande e se transforma em um gel viscoso. Ele é capaz de chegar ao cólon relativamente inalterado, passando praticamente incólume pela digestão.

Substância extraída das raízes da planta Amorphophallus konjac, glucomanano age na sensação de saciedade, atrasa o esvaziamento do estômago e alimenta bactérias benéficas no intestino (3). Assim, ele pode ajudar a regular os níveis de açúcar no sangue e o colesterol.

3. Gymnema sylvestre

Foto: Inlife Healthcare

A Gymnema sylvestre traz em sua composição substâncias conhecidas como ácidos gimnêmicos. Esses ácidos se mostraram particularmente eficientes para diminuir o desejo pelo açúcar, para inibir a digestão da gordura e até mesmo para aumentar a excreção do corpo (4).

Estudos indicam que os ácidos gimnêmicos podem evitar a absorção de açúcar no sangue, mantendo baixos níveis. Não se recomenda, entretanto, o consumo dessa substância em jejum, devido a muitos relatos de desconforto estomacal.

4. Ácido linoleico conjugado (CLA)

Foto: iStock

O ácido linoleico conjugado é um tipo de gordura encontrada naturalmente em alguns produtos de origem animal. Pesquisas indicam que essa substância ajuda a perda peso, além de aumentar a queima de gordura, bloquear a produção de gordura e estimular a quebra de gordura do organismo (5).

O resultado de um estudo apresentou relevante redução de apetite entre os participantes, sem nenhum efeito adverso ser relatado em doses de até 6 g por dia (6).

5. Garcinia cambogia

Foto: iStock

A casca da fruta Garcinia cambogia, também chamada Garcinia gummi-guta, tem alta concentração de ácido hidroxicítrico (HCA), elemento que está atraindo a atenção por suas propriedades relacionadas à redução do apetite e à perda de peso.

Os efeitos dessa fruta no organismo não é consensual, nem mesmo a sua capacidade de aumentar os níveis de serotonina. Outros estudos questionam até mesmo os efeitos como inibidor de apetite. Além disso, indivíduos apresentaram efeitos colaterais após o consumo, como dores de cabeça e de estômago e erupções cutâneas (7).

6. Griffonia simplicifolia

Foto: iStock

Griffonia simplicifolia é uma planta rica em 5-HTP (5-hidroxitriptofano), um aminoácido natural. No cérebro, esse composto é convertido em serotonina, que tem sido usado com sucesso como inibidor de apetite.

A melhor maneira de tirar proveito do 5-HTP é por meio de suplementos, uma vez que não há como ingerir doses precisas da própria planta.

Um estudo investigou o efeito de uma fórmula contendo 5-HTP. Os resultados mostraram que a substância provocou diminuição de apetite, aumento dos níveis de saciedade e redução significativa de peso durante um período de oito semanas (8). Com o uso prolongado, porém, alguns indivíduos apresentaram náuseas e desconforto estomacal.

7. Caralluma fimbriata

Foto: iStock

Tal como a Griffonia simplicifolia, a Caralluma fimbriata pode aumentar a circulação de serotonina no cérebro e, por consequência, servir como inibidora de apetite.

Uma pesquisa norte-americana avaliou o impacto de 1 grama de extrato em 50 adultos obesos. Os participantes apresentaram perda de peso e a uma redução significativa de apetite após dois meses de tratamento (9). Além disso, o estrato de Caralluma fimbriata não apresentou quaisquer efeitos colaterais.

8. Chá verde

Foto: iStock

O extrato de chá-verde vem sendo bem explorado nos últimos anos, principalmente por quem pratica atividades físicas regulares. Por conter cafeína e catequinas, o chá-verde tem potencial para impulsionar o metabolismo e queimar gordura, ajudando na redução de medidas e na perda de peso.

A cafeína é um estimulante que aumenta a queima de gordura e suprime o apetite. A catequina, fitonutriente da família dos polifenóis, pode impulsionar o metabolismo e reduzir a gordura (10). A combinação das duas substâncias é particularmente eficiente, mas a alta dosagem pode provocar náuseas.

9. Erva-mate

Foto: iStock

Planta nativa deste rincão do mundo, a erva-mate é conhecida por suas propriedades energéticas, mas também é um inibidor de apetite e é capaz de aumentar o peptídeo e os níveis de leptina.

Outros estudos também demonstraram que o mate é eficiente quando é combinado a outros tratamentos, aumentando o foco e os níveis de energia, sem produzir quaisquer efeitos secundários severos (11).

10. Café

Foto: iStock

Uma das bebidas mais consumidas no mundo, o café, tal como a erva-mate e o chá-verde, tem boa concentração de cafeína. Alimentos são ricos em cafeína foram comprovadamente eficientes para reduzir a ingestão de alimentos e acelear o metabolismo.

Os estudos sobre os efeitos do café mostram que ele pode ajudar com perda de peso, aumentando a queima de gordura e de calorias e a aumentar o seu metabolismo em até 11% (12). No entanto, a ingestão excessiva de cafeína pode aumentar a pressão arterial e está relacionada a problemas gástricos.